Blog de Lêda Rezende

Dezembro 27 2009

 

Já estava pronta para sair.

 

De repente notou uma luzinha vermelha. Piscando. Pela fresta da bolsa. Por certo um recadinho. Resolveu ler de uma vez.

 

Estava lá. Escrito. Hoje foi suspenso o atendimento. Teve um problema com os computadores. Uma falha técnica mais complicada. Outro com a luz. Não precisa vir. Será feito um re-agendamento parcializado.

 

Atendimento suspenso. Re-agendamento parcializado.  Achou o máximo.

 

Comparou a uma figura de linguagem. Ou a uma obra literária.

 

Mas quase pulou. Primeiro de susto. Era a primeira vez na vida que fazia um pedido e acontecia. Literalmente. Inacreditável.

 

Acordara com sono. Como sempre. Daí pensou. Bem que hoje podia ser cancelado o atendimento.  E eu poderia dormir mais um pouco. Mas imagina. Se me aconteceria uma maravilha desta. Nunca. Acelerou e foi cuidar de obedecer as ordens do relógio. Cruel objeto. Pensou entre os dentes. Mas prosseguiu.

 

Mal acabou de ler o recadinho - se auto-conferiu.

 

Checou – estava viva.  Correu para um espelho. Deveria estar iluminada. Não estava. O espelho mostrou o habitual. Optou por reler o recadinho. Vai ver fora uma alucinação. Não foi. Lá estava.

 

Que belo recadinho. Que lindíssimo texto. Desdenhou dos poetas. Nenhum faria uma composição tão emocionante quanto aquela. Riu. Riu de novo.

 

Tudo bem. Pediu perdão aos poetas. Por precaução. Vai ver que os deuses que cuidem deles poderia se aborrecer. Não queria mais surpresas. Aquela estava já perfeita.

 

Pensou. Fosse a Idade Média e já sabia onde iria parar. Mas não era. Pelo menos a da cronologia da Humanidade. Idade Média só a dela. Particular. Riu dessa bobagem também.

 

Se primeiro quase pulou de susto – de segundo pulou de alegria.

 

Olhou para a bolsa com o material. Para os papéis. Para a roupa que vestia. Em especial para o relógio no braço. E se despediu. Deles. De todos estes – adereços.

 

Mas se o pedido foi atendido – a vontade vinculada foi descartada.

 

Que dormir que nada. O sono foi-se como mágica. Deveria ser isso. Era o Dia da Magia. Ela que não tinha conhecimento. Riu de si mesma de novo. Estava se sentindo já uma humorista. De primeira categoria.

 

Mas enfim – dormir seria desdenhar do pedido inicial. Jamais faria isso. Poderia ser visto como um menosprezo. Estava com muito zelo em relação aos deuses amigos. Mais uma vez riu.

 

Despiu-se da proposta inicial e vestiu-se da adquirida. Sim. Iria à praia. Desceria a serra. E iria ver o mar.

 

Perfeito. Idéia de gênio. Foi mais uma vez se olhar no espelho. Deveria estar iluminada mesmo. Riu para o refletido. Que devolveu à altura.

 

Quando se compreendeu – já estava lá.

 

Em pé na areia. Diante do seu tão amado mar. Pontinhos prateados aqui e ali brilhavam na água docemente salgada. Faziam quase um cortejo de pequenas luzes. Lindo.

 

Algumas mesinhas de cimento ficavam na areia. Com banquinhos em volta. Escolheu um deles e sentou. Para uma alegria tão grande - alguns rituais.

 

Ficou um tempo apenas olhando. Brincava com a chave do carro entre os dedos. Deixou que o sol escolhesse os pontos da pele que iria tocar.

 

Depois com muita calma foi em direção à água. Estava morna. Pequenas ondinhas deixavam a espuma branquinha na borda. Que sumiam com delicadeza.

 

Mergulhou. Pulou. Brincou. Jogou água para cima. Para baixo. Riu. Viva o Dia da Magia.

 

Lembrou o tempo em que seguia as definições do mestre austríaco. Mas desta vez se colocou mais à parte. Nada de passagem ao ato. Como o mestre definia atitudes intempestivas.

 

Fez o habitual brinde e – rindo - informou. Para o Universo. Que me perdoe o Mestre. Mas este foi Além do Princípio do Prazer. E muito além dos Atos Falhos. Sem Homem dos Lobos.  Sem Totem ou Tabu. E principalmente sem Perturbações Psicogênicas da Visão.

 

Este foi um verdadeiro Ato de Passagem. Passagem feliz. Até o mar. Diante do mar. Num dia em que um erro da tecnologia cedeu espaço à realização plena de uma fantasia.

 

Foi a vez do impossível vencer o possível. E mergulhou – mais uma vez.

 

Voltou no começo da tarde - muito feliz. 

 

Amanhã retomarei a tal agenda parcializada. Perfeito. 

 

 


Novembro 04 2009

 

O espaço era grande.

 

Piso branco. Paredes brancas. As molduras das portas em madeira clara. Largas. Algumas cabines laterais avisavam um pouco do que se tratava. Era uma loja. Isso sem dúvida. Ficou claro tão logo olhei em volta.  Uma das paredes não fazia ângulo reto. Era arredondada. Dava ao lugar um aspecto mais sofisticado.

 

Nem sei se é essa a palavra certa. Mas enfim.  Se é a que me ocorreu – é a certa. Agora entendo desta forma as palavras. Elas comandam. Eu obedeço. Nada mais de rebeldias. Provocam mais – más - conseqüências que a objetiva e servil obediência. À letra.

 

Não era uma loja comum. Em absoluto.  Era uma loja de roupas femininas - turcas. Sim. Vendiam roupas femininas turcas. As cortinas de tecido fino branco davam a privacidade nas tais cabines.

 

Deviam ser sete. Isso. Sete cabines em ordem linear. E com as cortinas brancas. Eram bem espaçosas. Não entrei. Mas era o que parecia pela largura das cortinas.

 

Eram fartas em tecido. Faziam muitas pregas longitudinais. Repetiam a sofisticação e davam um ar suntuoso.

 

Um ventinho devia vir por algum lugar. Não identifiquei de onde. Mas fazia as cortinas balançarem com suavidade.

 

Uma porta branca ficava fechada. Localizava-se na lateral da sala. Esta porta sim. Formava um ângulo em relação às cabines. Avisava. Através de uma placa. Massagens.

 

Perguntei a alguém que passava se a massagem era possível. Sim. E que eu poderia escolher o tipo. Escolhi. Avisaram. Já tinha uma pessoa lá dentro. Assim que saísse - seria a minha vez.

 

A música percorria o ambiente – marcando o estilo. Uma música como se tocada por uma única flauta. Mas era deliciosa. Presenteava os ouvidos com sua tonalidade leve.

 

Estávamos juntas. Fazia tanto tempo que não saíamos juntas. Ela no além mar dela. E eu no aquém mar dela.  Mas enfim. Estávamos juntas.

 

Ela decidiu provar uma roupa. Saiu da cabine com as cortinas brancas - com uma capa longa vermelha. Por cima de um vestido branco. Também longo.

 

A roupa era linda. A capa vermelha toda rebordada de dourado. Entre fios e moedas. Tinha um capuz. Mas ela dispensou. Queria o rosto bem à mostra. Foi o que falou. 

 

Estava rindo muito. Nunca a tinha visto assim. Não nego que estranhei. Ria muito. E dançava segurando pelos lados a capa. Girava sobre si mesma. E ria. A expressão do rosto dela era de total alegria e felicidade.

 

De repente fez algo inimaginável.

 

Começou a dar berliscõezinhos. Nas pessoas que circulavam pela loja. Saia dançando com sua capa ao som da música. E dava os beliscões. Não importava se homem ou mulher. Era o que parecia. Mas ria - se divertia com o pulinho assustado das pessoas.

 

Um homem a viu – e se afastou. Sério. Era já um senhor – gordo. Barriga adiantando-se à imagem corporal. Cabelos castanhos. Alto. Roupa cinza escuro.

 

Ela foi em direção a ele. Rindo. Claro. Ela só ria. Para beliscá-lo. Não acreditei. Até pensei em impedir. Mas desisti. Melhor que ela fizesse o que quisesse. Vai ver é assim na Turquia. E ela estava incorporada aos hábitos do lugar. Achei melhor só observar.

 

E fiquei um pouco afastada – esperando o que aconteceria.

 

Ela continuou rodopiando. A moça veio me avisar que eu já podia entrar. Para a sala de massagem. Ela olhou para os meus tornozelos. Fez um comentário. Estão tão inchados. As pernas também. Melhor ficar assim. E riu alto. Olhei procedia. Estavam mesmo. Muito inchados.

 

A porta abriu. Uma mocinha vestida de branco apareceu. Era um vestido curto. Tinha uma marca escura na pele das costas. Avisou que já podia entrar. Olhei para a mesa de massagem. A sala era clara. Muito clara. Mas agradeci. Não quis mais. Talvez fosse hora de voltar. Mas não sabia bem para onde.

 

Por um tempo ainda ela continuou dançando com a capa. Ainda tentava beliscar as pessoas.

 

Depois a retirou e jogou numa cadeira que ficava perto das cabines. Uma bela cadeira. Ainda tive a oportunidade de notar. O tecido era azul claro. Espaldar alto. Contornado com dourado. A capa ali ficou. O vermelho contrastando com o azul.

 

A música aumentou de tom. Subitamente. Um som alto. Repetido. Irritante.

 

Em minha frente estava uma cadeira. Não forrada de azul. Não tinha espaldar alto. Muito menos uma capa vermelha com fios e moedas douradas - sobre ela. Não tinha local de massagens. Minhas pernas não estavam inchadas.

 

Ela - por certo - continuava além mar.

 

Sorri. E dei vivas às boas intenções do inconsciente.

 

O despertador avisava o início da rotina.

 

 


Blog de Crônicas - situações do cotidiano vistas pelo olhar crítico, mas relatadas com toda a emoção que o cotidiano - disfarçadamente - injeta em cada um de nós.
Para os mais curiosos:
On-line!
Meus visitantes

Dating
pesquisar
 
Comentaram o que leram!! Obrigada!!!
Casaste?
Estou bem obrigado
Olá Leda, tudo bem?
Olá LedaVocê está bem?Um Beijo de Portugal
Olá!!!Não consegui encontrar o teu blog no blogspo...
Parabéns pelo seu post, está realmente incrivel. V...
mau e excelente!!!!
Ótimo ||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||...
Gostei.
COMO PARTICIPAR NAS EDIÇÕES DO EPISÓDIO CULTURAL?O...
Julho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
23
24
25
26

27
28
29
30
31


subscrever feeds
blogs SAPO