Blog de Lêda Rezende

Dezembro 27 2009

 

Já estava pronta para sair.

 

De repente notou uma luzinha vermelha. Piscando. Pela fresta da bolsa. Por certo um recadinho. Resolveu ler de uma vez.

 

Estava lá. Escrito. Hoje foi suspenso o atendimento. Teve um problema com os computadores. Uma falha técnica mais complicada. Outro com a luz. Não precisa vir. Será feito um re-agendamento parcializado.

 

Atendimento suspenso. Re-agendamento parcializado.  Achou o máximo.

 

Comparou a uma figura de linguagem. Ou a uma obra literária.

 

Mas quase pulou. Primeiro de susto. Era a primeira vez na vida que fazia um pedido e acontecia. Literalmente. Inacreditável.

 

Acordara com sono. Como sempre. Daí pensou. Bem que hoje podia ser cancelado o atendimento.  E eu poderia dormir mais um pouco. Mas imagina. Se me aconteceria uma maravilha desta. Nunca. Acelerou e foi cuidar de obedecer as ordens do relógio. Cruel objeto. Pensou entre os dentes. Mas prosseguiu.

 

Mal acabou de ler o recadinho - se auto-conferiu.

 

Checou – estava viva.  Correu para um espelho. Deveria estar iluminada. Não estava. O espelho mostrou o habitual. Optou por reler o recadinho. Vai ver fora uma alucinação. Não foi. Lá estava.

 

Que belo recadinho. Que lindíssimo texto. Desdenhou dos poetas. Nenhum faria uma composição tão emocionante quanto aquela. Riu. Riu de novo.

 

Tudo bem. Pediu perdão aos poetas. Por precaução. Vai ver que os deuses que cuidem deles poderia se aborrecer. Não queria mais surpresas. Aquela estava já perfeita.

 

Pensou. Fosse a Idade Média e já sabia onde iria parar. Mas não era. Pelo menos a da cronologia da Humanidade. Idade Média só a dela. Particular. Riu dessa bobagem também.

 

Se primeiro quase pulou de susto – de segundo pulou de alegria.

 

Olhou para a bolsa com o material. Para os papéis. Para a roupa que vestia. Em especial para o relógio no braço. E se despediu. Deles. De todos estes – adereços.

 

Mas se o pedido foi atendido – a vontade vinculada foi descartada.

 

Que dormir que nada. O sono foi-se como mágica. Deveria ser isso. Era o Dia da Magia. Ela que não tinha conhecimento. Riu de si mesma de novo. Estava se sentindo já uma humorista. De primeira categoria.

 

Mas enfim – dormir seria desdenhar do pedido inicial. Jamais faria isso. Poderia ser visto como um menosprezo. Estava com muito zelo em relação aos deuses amigos. Mais uma vez riu.

 

Despiu-se da proposta inicial e vestiu-se da adquirida. Sim. Iria à praia. Desceria a serra. E iria ver o mar.

 

Perfeito. Idéia de gênio. Foi mais uma vez se olhar no espelho. Deveria estar iluminada mesmo. Riu para o refletido. Que devolveu à altura.

 

Quando se compreendeu – já estava lá.

 

Em pé na areia. Diante do seu tão amado mar. Pontinhos prateados aqui e ali brilhavam na água docemente salgada. Faziam quase um cortejo de pequenas luzes. Lindo.

 

Algumas mesinhas de cimento ficavam na areia. Com banquinhos em volta. Escolheu um deles e sentou. Para uma alegria tão grande - alguns rituais.

 

Ficou um tempo apenas olhando. Brincava com a chave do carro entre os dedos. Deixou que o sol escolhesse os pontos da pele que iria tocar.

 

Depois com muita calma foi em direção à água. Estava morna. Pequenas ondinhas deixavam a espuma branquinha na borda. Que sumiam com delicadeza.

 

Mergulhou. Pulou. Brincou. Jogou água para cima. Para baixo. Riu. Viva o Dia da Magia.

 

Lembrou o tempo em que seguia as definições do mestre austríaco. Mas desta vez se colocou mais à parte. Nada de passagem ao ato. Como o mestre definia atitudes intempestivas.

 

Fez o habitual brinde e – rindo - informou. Para o Universo. Que me perdoe o Mestre. Mas este foi Além do Princípio do Prazer. E muito além dos Atos Falhos. Sem Homem dos Lobos.  Sem Totem ou Tabu. E principalmente sem Perturbações Psicogênicas da Visão.

 

Este foi um verdadeiro Ato de Passagem. Passagem feliz. Até o mar. Diante do mar. Num dia em que um erro da tecnologia cedeu espaço à realização plena de uma fantasia.

 

Foi a vez do impossível vencer o possível. E mergulhou – mais uma vez.

 

Voltou no começo da tarde - muito feliz. 

 

Amanhã retomarei a tal agenda parcializada. Perfeito. 

 

 


Setembro 08 2009

 

Ficou um tempo buscando uma palavra. Uma.

 

Mas que pudesse denunciar. Que funcionasse. Isso. Uma palavra funcional. Eis a qualificação perfeita.

 

Mas nada é perfeito. Faltava a palavra.

 

Era momento de comemoração. Sentia isso. E se desentendia.  Se sentia – por que não conseguia  decodificar.  Lembrou que fez um chiste para ele. E se a anestesia anestesiou as  minhas ideias. Sempre se corre qualquer tipo de risco. Diante de qualquer tipo de intervenção. E nem tudo no mundo é orgânico.

 

Ele - artista – sabe ler o avesso do avesso de um prisma. Não busca potes. Nem duendes. Cria o ouro de dentro das cores.  Já foi logo recusando a ideia proposta. Comparou até a resistência a cianetos.

 

Ela riu. Se sentiu medicada.

 

Queria muito poder esclarecer. Esclarecer nem sempre é prerrogativa de problema. Ou de formal. Pode ser apenas uma porta. Um portal. Exagerada do jeito que sempre foi - substituiu. Acrescentou.  Esclarecer é como um arco. Um arco de triunfo. Real.

 

Pensou em dicionários. Mas eles só contem verbetes. E não seria o caso. De verbetes o mundo está cheio. Deve mesmo estar faltando é palavra. Pode parecer uma mesma significação. Mas a tradução é diferente.

 

Um verbete explica. Ordena. Racionaliza.

 

Uma palavra implica. Desorganiza. Emociona.

 

Morava longe. Um mar além. Uma distância que se media em águas e espumas. Com ondas e com calmaria. De lá para cá muito se fez. E de cá para lá muito se refez.

 

Nem sabia mais quando começara. Muito menos como. Mas se comunicavam. Por isso ela avisara. Vou dar uma sumidinha. Desta vez a questão é corporal. Notaram um excesso. Vão localizar a possibilidade de falta. Quando puder retorno. Assim. Um recadinho para ele. E para os mais próximos. Sem importar quantas marés depois seria entregue a mensagem. Seria entregue.

 

Ele foi solidário. Escreveu. Ponderou. Gracejou. Reclamou. Até se auto intitulou. Neurastênico. Estou neurastênico. Onde já se viu. Um artista. Que doa cor a ouro. E o contrário também. Que entende de avesso. Se chamar de neurastênico. Assim.

 

Viu todos os recadinhos de uma vez. Quando os excessos foram retirados a e as faltas perdoadas.

 

Leu. Adorou. Festejou. Mas se sentiu menos. Continuava sem encontrar a palavra.

 

Até se revoltou. Quase praguejou. Já estava perdendo até a classe. Renegou a própria profissão. Queria mesmo era ser inventora. Não para construir máquinas. Queria criar uma retórica nova. Para o agradecimento exprimir.

 

Queria um poder. Uma magia. Fantasia. Inspiração.

 

Pediu tudo que vinha à mente. Olhou para cima. Até para baixo. Pegou uma caneta. Vai ver assim facilita. Caneta e papel à mão. Ficou ali. Parada.

Em busca da tal palavra. Que revelasse toda a emoção. Sem freios. Sem contenção. Mas nada aconteceu.

 

Teve uma ideia. Alternativa. Poderiam ser símbolos. Quem sabe. Um símbolo muitas vezes vale por muitas palavras. Muito mais que apenas uma.

 

Ainda sem solução. Nada entendia de símbolos. E símbolo lembrava matemática. Ela odiava matemática. Fingiu resignação.

 

Pensou. Outra alternativa. Quem sabe uma tela. Poderia desenhar com exatidão. E numa única aquarela fazer brilhar a verdade da gratidão.

 

Mas... impossível criar. Vai ver tem mais faltas que pensava.

 

Nem cores. Nem flores. Nem Semiologia nova. A criatividade não devia mesmo ser seu forte.

 

Lembrou da avó da amiga. Ela dizia. A repetição também tem as suas singularidades, menina, a repetição também tem as suas singularidades.

 
Aceitou. Andava bem obediente nos últimos dias.

 

Talvez uma só palavra. Há muito já inventada. Talvez - em sua simplicidade - resuma o desfecho. E permita todo esse difícil traduzir.

 

Mais tranqüila virou-se em direção ao mar de lá. Por cima de ondas e marés altas. Abaixou-se diante da leveza de um corajoso barquinho de papel. Colocou uma garrafinha com seu bilhetinho dentro. Manuscrito. Com cuidado. Letrinha por letrinha. Qual um bordado. Escreveu.

 

Obrigada.

 

 
 

Blog de Crônicas - situações do cotidiano vistas pelo olhar crítico, mas relatadas com toda a emoção que o cotidiano - disfarçadamente - injeta em cada um de nós.
Para os mais curiosos:
On-line!
Meus visitantes

Dating
pesquisar
 
Comentaram o que leram!! Obrigada!!!
Casaste?
Estou bem obrigado
Olá Leda, tudo bem?
Olá LedaVocê está bem?Um Beijo de Portugal
Olá!!!Não consegui encontrar o teu blog no blogspo...
Parabéns pelo seu post, está realmente incrivel. V...
mau e excelente!!!!
Ótimo ||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||...
Gostei.
COMO PARTICIPAR NAS EDIÇÕES DO EPISÓDIO CULTURAL?O...
Julho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
23
24
25
26

27
28
29
30
31


subscrever feeds
blogs SAPO