Blog de Lêda Rezende

Junho 21 2009

Ele se fora.

 

Tempos depois que se deu conta. Nunca se sentira tão só na vida toda. Até aquele dia. Quando ele se foi. Solidão. Ampla e irrestrita. Fiel. Apegada a ela.

 

Na cidade para onde se mudara com ele não tinha parentes. Nem padrinhos. Nem comadres. Pensou isso e até riu. Tinha amigos. Mas não tinha ombro amigo. Isso veio descobrir na época. A diferença entre amigo e ombro amigo. É muito mais que filosófica. Ou conceitual. É material. Assim. Nua e crua verdade. Talvez melhor definindo. É factual.

 

Espalhou as cinzas onde ele pediu. Junto com os filhos. Ainda menores. Obedeceu ao pedido. Cumpriu as promessas.

 

E se viu só. Duas crianças. Sem a casa – ele vendera pouco antes de partir. Sem o carro – ele fizera o mesmo.  Num pequeno imóvel alugado. Desconfortável. Amontoado. Cobrira as janelas com um papel. Da rua se via a intimidade dela.

 

Sempre repetia uma frase. Página virada. Página virada quer dizer muito. Tem relação com o tempo. Tem relação com o espaço. Tem relação com o ato. E foi desse tripé que se amparou.

 

O tempo. Esse foi sua primeira intervenção. Noite e dia passaram a ter um só relógio. Nem sol. Nem lua. Rapidamente vistoriou papéis. Aprendeu a ler documentos jurídicos. A interpretar cantinhos de seguros. Leu todas as letras minúsculas – e põe minúsculas nisso – dos contratos. Estudou tanto que até discutiu com advogados. Com contadores. E os convenceu.

 

Vencer já era uma outra etapa. Agora precisava primeiro convencer. Convenceu. Isso em tempo recorde. Em menos de um mês deu entrada em protocolos nunca dantes imaginados. A cada resposta tediosa que escutava de é só aguardar – devia fazer um olhar especial. Especial de assustador.

Porque todos emendavam. E garanto que vai ser logo. Descobriu assim que se pode domesticar até o tempo.

 

O espaço. Concluiu antes de qualquer aviso. Não poderia continuar ali. Naquele lugar exposto. Eles que sempre foram tão recatados. E decidiu que iria ser dona de novo. Entendeu bem o significado de Casa Própria. Aí cabiam as letras maiúsculas. Aproveitou todas as brechas da sua profissão.

 

Montou um novo viés. A aceitação foi excelente. Juntou daqui. Catou dali. Economizou de lá. Em dois meses já estava se mudando. Desta vez para um lugar bem alto. Vigésimo andar. Devassado talvez por algum passarinho mais afoito. Apenas.

 

Eles ficaram felizes. Comemoraram o quarto novo. Individual. Com seus códigos e insígnias. Nesta noite dormiu tranqüila. Sentiu que albergando – se albergava. Antes de dormir olhou em volta. Sorriu. Discreta - chorou.

 

Dormiu com tanta segurança que pela manhã até perdeu a hora. Todos riram. Isso nunca acontecia a ela. E todos gostaram de voltar a rir em conjunto. Foi um desjejum perfeito. Do corpo e da alma.

 

O ato. Organizou a rotina. Horários. Compromissos. E cada um fizesse a sua parte. Para que todos pudessem usufruir de uma tranqüilidade comunitária. Esta virou a palavra em seguida ao ato. Não sabia se esta era a ordem certa. Palavra - primeiro.  Ato - depois. Ou, ato primeiro - palavra depois. Fazia tempo que não pensava mais no Fiat Lux. Agora a sincronicidade se fazia necessária e impositiva. Leis teriam que ser cumpridas. Os filhos entenderam.  Se não entenderam – aceitaram.  Isso era o de menos. O importante era prosseguir com maturidade.

 

Até ria quando pensava isso. Maturidade é coisa de quem tem tempo. Para ficar com pequenos devaneios. Para extrair grandes conclusões. Ela não tinha dedicação para tanto. Para a filosofia. Estava - cada dia mais - pragmática. E isso agora era amadurecimento. Pragmatismo. Que fiquem os desavisados com suas conclusões igualmente desavisadas.

 

Teve uma instante de contra-senso. Para dar conta – perdeu as contas. Em meio a papéis e decretos – comia. Barras e barras de chocolate. Nem sabia quantos. E a noite ficava mais doce. Esta a desculpa interior. Interior.

 

Porque o exterior se impunha sem desculpas. Foram quinze quilos. Este o saldo da tal página virada.  

 

Mãos à obra. Nada de excessos. Se auto-limitou. Lá se foram os quinze invasivos quilos. Cabelos cortados. Tingidos. Luzes. O que mais gostou.

 

Também era uma adoradora das metáforas. Luzes nos cabelos.

 

Com sua casa. Com seu carro. Com seus filhos. Com sua profissão em atividade. Deu conta.

 

Se perdeu algo nesse meio tempo – nem notou. Meio tempo. Assim poderia se resumir até de forma poética.

 

Meio tempo. Ação inteira. Espaço completo. Agora sim poderia dizer aquela palavra - que no começo se sentia tímida.

 

Ela vencera.

 

 


Junho 06 2009

Acordei hoje lembrando lá. Deste período lá.

 

Sim. Já comprei tudo. De supermercado também. Fica difícil ir ao supermercado agora. Ou falta tudo. Ou se encontra nada. Sem falar nos acessos. Que são alterados. A cidade fica muito cheia. Sim. Do mundo todo.

 

Muitos sotaques. Muitos idiomas. Uma Babel dançante. Ótimo. É verdade.

 

Um povo hospitaleiro. Disso não se discorda.

 

Acorda. Acordei já. Sim. Este ano começou mais cedo. Cada ano isso muda.

 

Começa mais cedo. E acaba mais tarde. Deve ser. É  verdade. Este circuito cada vez mais divulgado. Se pagam caro os hotéis têm esse direito. De ver da janela. Maravilha. Para eles. Para os hotéis. Até para as janelas.

 

Não escutei. Fala mais alto. Não escutei ainda. Fala mais alto ainda. Não.

 

Não consegui sair de casa. Está tudo bloqueado. Sim. E ainda tem aqueles vendedores. Isso sem falar nas cozinhas nas ruas. Parece que todas as cozinhas do mundo estão na minha rua. Tem cheiro e fumaça de todo tipo.

 

Daria para fazer uma enquete. Se alguém se interessasse. Por enquetes. Mais do que pelas frituras. Sim. Tudo aqui é frito. Muda só a cor. Mas é frito. O cheiro de fritura pode até ser tocado. Fica denso.   

 

Sim. Também pensei a mesma coisa. Achei que ia cair para dentro da sala. A porta da varanda. Que trepidação. Tive até uma confusão mental. Como se estivessem tocando aqui na sala. A noite toda. O dia todo. A porta só trepida.

 

E faz um barulhinho fino. Do metal. Do vidro. Vai lá saber. Nem sei mais.

Impossível. Se deixar aberta - arrisco uma ruptura de tímpano. Se fechar - o calor fica insuportável. Sim. Tem que ligar o ar condicionado. O tempo todo.

 

Mas daí a trepidação parece que aumenta. Fosse eu Física diria que tem um novo efeito.  Aqui. O efeito tampão. Ou efeito sucção. Ou efeito dobrado. De tudo isso ao mesmo tempo. Sei lá. Também não sou Física. Só está me dando desespero. Porque se fecha e liga o ar - parece que a trepidação aumenta. E o cheiro das frituras - entram. Sei lá por onde. Só entram e ficam. Aqui dentro. Perene.

 

O telefone. Não escutei. Não dá para escutar mesmo. Nada além do ritmo. E dos convites. Milhões de vezes repetidos. Tira o pé do chão, galera. Se realmente obedecessem tantas vezes quanto solicitados - teríamos um novo espaço. Aéreo. Levitação. Nem indiano conseguiria. Tantos.  

 

Há quatro dias. Sem parar. Devem parar. Mas não aqui. Aqui nem bem passa um, já vem chegando outro. E a ordem prossegue. Tira o pé do chão, galera.

 

Você queria descer a ladeira. Para ver de perto. Ver o que exatamente.

 

Porque se não souber tirar o pé do chão - corre risco. De ficar com o pé no chão. Por uns dois anos. Com fraturas. Cominutivas. Nem pensar.

 

Não me diga. E ele correu. Por isso acabou no hospital. Dizem que não se pode correr. Tem que ficar parado. Procurando um cantinho. Para deixar passar a onda. Que onda. Ou melhor, que passar. Não passa. Só nas Cinzas. E cinzas de todo o tipo.

 

Tira o pé do chão, galera. Pela milionésima vez. Em quinze minutos.

 

PeloamordeDeus. Tirem logo esse raio de pé do chão.  A voz era de homem. Agora mudou. É de mulher. Não de homem. Não. De mulher. Não importa. Só a ordem importa.

 

Porta. Acho que vai quebrar a vidraça. Tem muita trepidação. Será que alguma vez me livro disso. Vou pedir para o Universo. Alguém tem que me ajudar. A tirar o pé – fora daqui.

 

Que silêncio. Absoluto. E os passarinhos mais ousados - cantando o seu refrão. Reconheci. É um bem-te-vi. A brisa está leve. Sim. Vou tomar um pouco de sol. Dar um mergulhinho. Está tão lindo o dia. E a cidade tão calada. Há apenas o som forte - do silêncio.

 

Aqui é só em determinado lugar. Ou pré-determinado. Estabelecido. Tem Lugar para isso. Nem sei se aqui mandam tirar o pé do chão. Vai quem gosta. E só quem gosta vai. Vai-Vai.

 

Liguei a televisão. No canal que retransmite de lá. A mocinha gritou no microfone. Tira o pé do chão, galera.  

 

Sorri. Leve. Solta. Voltamos para o sol. E para o nosso adorado silêncio – optativo.  

 

Com os pés – relaxadinhos – no chão.

    

 


Abril 06 2009

Ela decidira fazer uma dieta. Estava gorda. Queria retomar o corpo. O rosto. No lugar onde deixara. Há anos. O corpo. E as curvas. Riu da pobreza da piadinha. Estava tão decidida que já estava sentindo a roupa folgada. E só tivera a idéia. Isso é que é fé. Em milagres.

 

Eram tantas as dietas com nome. Tinha de nome de universidade famosa. De outras menos famosas. De astros do céu. De frutas. De zodíaco. Tinha até de aromas. O que não faltava era título de dieta. Era só escolher um título. E acreditar.

 

Indicaram um professor chinês. Era um Especialista em dieta leve. Para corpos pesados. Assim falavam dele. Não soube se também o contrário. Sobre isso não informaram.

 

Achou maravilhoso - uma metodologia oriental. Bem mais sofisticada. Já estava cansada. De ficar liquidificando couve. Até suas unhas já estavam ficando verdes. De tanta couve no desjejum. E o excesso de peso nada de amadurecer e cair. Ou de tomar suco de abacaxi com gengibre. Ou de seguir uma receita aromatizante. Diziam que aromatizar também ajuda a queimar calorias. Perfumou por muito tempo com essência de canela o ambiente da casa e do trabalho. Quase foi demitida. Ninguém mais agüentava se sentir trabalhando dentro de um capuccino.

 

Concluiu.  Já tinha feito tudo de ocidental. Agora era a vez do oriental.

 

Marcou a consulta. Chegou até mais cedo para garantir o atendimento.

Mostrar interesse. Vai que perde a hora. Chinês entende de relógio. Mas daqueles alternativos. Que nem sempre funcionam como o prometido no original. Preferiu não arriscar.

 

Sentou-se numa poltroninha vermelha.  A salinha era toda decorada com tons vermelhos e dourados. Pensou de imediato num dragão. Temeu rir. Por trás do cérebro uma voz fazia chistes. Assim que ele emagrecia. Os corpos pesados. Com fogo de dragão. Ajeitou-se na cadeira. Como numa espécie de ordem. Para que parasse de rir. Do tal dragão imaginário. Não queria aborrecer o chinês. Vai lá ele vira um ninja. Não sabia mais se ninja era chinês ou japonês. Bom, mas não estava ali para isso. Só queria perder peso. Não ganhar  - cultura.

 

Ele foi logo fazendo um sinal para que ela entrasse. Na salinha de atendimento. Ele entrou atrás dela. Com ar de mestre milenar. Fez uma volta qual um dançarino. Era bem magrinho. Pisava leve. Sentou diante dela. Sério. Muito sério. Ela foi logo também se sentando.

 

Idéia errada. Ele fez um sinal negativo com a cabeça. E apontou com o dedo. Assim mandou que ficasse de pé. Ficou. Ele olhou. Olhou de novo. Ela já se sentiu desconfortável. Ele demorava  muito olhando. Ficou assustada. Será que tinha tanta área corpórea assim. Devia estar pior que imaginava.

 

Cada parte do corpo que ele olhava ela cobria. Com as mãos. Estava parecendo já um teatro de mímica. Ou conversa de surdo-mudo. Desta vez quase riu. Com muito esforço se conteve. Depois ele repetiu o sinal com o dedo. Apontou a cadeira. Assim mandou que se sentasse. Sentou. Nunca estivera numa consulta tão silenciosa. Mas entendeu como um estilo oriental. Refinado.

 

De repente ele falou. Ao menos assim ela supôs. Que ele estava falando. E com ela. Exatamente o que não entendia. Ele falava rápido e com lábios meio fechados.

 

Ele falou. Apontou. Para ela. Para o que ela supôs serem os pontos de acúmulo de gordura. Ficou feliz por ter ido lá. Viu seriedade. Foi o que pensou na hora. E rapidamente concluiu. Pensou errado.

 

Ele rabiscou um papel. Pareceu que assinara o nome. Entregou a ela. Era um papel delicado. Tinha um símbolo vermelho e dourado no cabeçalho. Leu. Era uma orientação impressa. Constava uma prescrição. Chá de folha de couve com gengibre pela manhã.  No almoço acrescentava um copo de suco de abacaxi a um cozido com couve.  À noite uma sopa quente de couve com as folhas cortadas ao comprido. Tinha isso. Ao comprido.  Podia comer alguns legumes. Uma fruta ou outra. Acrescentou falando uma importante recomendação. Para ela. Olhando sério para ela. Com o tal dedo apontando para o rosto. Dela. Só fechar boquinha.

 

Ficou mais amarela que ele.

 

Esqueceu que a China é milenar. Esqueceu da paz. Ensinou a ele quem é que manda. Nada de fechar boquinha. Ficou desbocada em segundos. Foi uma ordem e um contra ato. Algo por aí.  Uma situação constrangedora. Por sorte o chinês não se interessou. Pelas sugestões dela.  

 

Tivesse ele acrescentado o que ela falou como sugestão para emagrecer - e toda uma cultura milenar e um povo estariam, anatomicamente, desfigurados.

 

 

 


Blog de Crônicas - situações do cotidiano vistas pelo olhar crítico, mas relatadas com toda a emoção que o cotidiano - disfarçadamente - injeta em cada um de nós.
Para os mais curiosos:
On-line!
Meus visitantes

Dating
pesquisar
 
Comentaram o que leram!! Obrigada!!!
Casaste?
Estou bem obrigado
Olá Leda, tudo bem?
Olá LedaVocê está bem?Um Beijo de Portugal
Olá!!!Não consegui encontrar o teu blog no blogspo...
Parabéns pelo seu post, está realmente incrivel. V...
mau e excelente!!!!
Ótimo ||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||...
Gostei.
COMO PARTICIPAR NAS EDIÇÕES DO EPISÓDIO CULTURAL?O...
Julho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
23
24
25
26

27
28
29
30
31


subscrever feeds
blogs SAPO