Blog de Lêda Rezende

Fevereiro 07 2010

 

Impossível. Algo deve estar errado. Deixa-me colocar outra vez.


É verdade. Confere. Pela quarta vez.


Nem boletim meteorológico seria tão rigoroso em relação à temperatura.
E ainda acrescento que a visibilidade está péssima.


Agora entendo o que significa não poder se mexer. Não consigo mover nem o globo ocular. Doeu só de pensar em globo. Lembrei daqueles globos giratórios. Girar é a última coisa que me arrisco a sequer imaginar.


E eu que me julgava tão imune. Agora aqui estou com esse calor todo. Vasodilatação acho que seria o termo correto. Quando me olho no espelho só esta palavra cabe. Vasodilatação. Doeu de novo. Porque dilatar implica em movimento.

 

Olhar no espelho. Até parece que tenho feito isso. Só se aqui tivesse um daqueles espelhos “motelianos”, no teto. Aí sim, eu poderia me ver. Com esse “motelianos” deu pra sentir que estou nada bem. Mas graças aos céus que pensar não precisa de movimento físico. Senão nem isso faria mais.


Pior é ficar aqui imóvel. Recordando todos os tipos de movimento existentes no mundo. Deve ter algo a ver com Sade essa situação toda. Lembrei dos malabaristas. Trapezistas. Comedores de fogo. Contorcionistas.


Acho que estou com delírio circense. Era só o que me faltava. E nunca gostei de circo.


Agora é só o que me ocorre. Nada mais interessante para pensar.


Ele está tão angustiado. Por me ver assim. Rubra-tórrida-imóvel.
Ele fica acordado quase toda a noite para ver se preciso de alguma ajuda. Está muito sem saber o que faz. Finge que está tudo bem. Até mais do que eu. Que estou fingindo que nem está acontecendo. Que a minha imobilidade é opcional. Ele nem sabe mais por onde começa o dia nem acaba a noite. Ou o contrário.


Sei lá mais eu.


E essa coisa de pensar em tempo também doeu. Lembrei dos movimentos dos ponteiros do relógio. Só não quero mesmo é ter que me mover. Estou fazendo agora um estilo hindu. Buda e eu estamos na mesma. Sorri meio amarelo. Mas - ao menos - sorri.


Lembrei do Egito. E pensar que sempre adorei o Egito. Região cheia de mistérios. Estilo megalomaníaco. A maior Biblioteca. Os maiores enfeites de deserto. O mais belo rio. A mais bela rainha. Tanta admiração. Tanta sabedoria. Não posso negar. Continuam na mesma linha. É verdade. Repensando. Nada mudou. Algo tão pequeno. Causando efeito tão estrondoso. E com sobrenome egípcio. Só pode mesmo ser da mesma linha de lá.


Acho que vou colocar de novo. Já estou viajando longe - e na imobilidade. Viva a memória e a imaginação. Quarenta. Quarenta graus. É. Agora está mais que explicado.


Temperatura e estilos egípcios. Só espero não virar múmia.
Consegui rir de novo. Essa de virar múmia foi terrível. Quarenta graus são mesmo complicados.


Nem vou contar a ele isso. Ele saiu tão preocupado. Melhor dizer que tudo está na mais perfeita e antitérmica ordem.


Estou mesmo preocupada comigo. Isso é lá metáfora que preste.


Mas como me dói tudo por aqui. Se me pedissem - mostrava um por um dos componentes do meu esqueleto. Todos estão a me dizer “estou aqui”. Os ossos. E como sinto. Sinto os músculos que os recobrem. Também um por um. Nem sabia que tinham tantos.


Agora até da mega-bela-rainha me lembrei. Ela e sua escrava fingida. Depois ela e sua escrava fiel. Depois ela e sua picada de cobra.


Melhor esquecer um pouco do Egito. Lá tem camelo. Não deve ter nada que sacuda do que subir num camelo. Agora sim. A dor não vai passar com este pensamento.


Tanto antagonismo é mesmo surpreendente. Uma letrinha e pronto. Mudança de dócil à dor. Um inseto. Um país inteiro ao dispor. Tantos músculos e ossos a compor um corpo. E a imobilidade é o que mais se consegue próximo a conforto. Isso está parecendo poesia de repentista.

 

De “repentista” aqui só o sono - que está chegando forte.


Já está na hora dele voltar para casa. Quando ele voltar vou estar acordada.


Vou me consertar na cama. Arrumar as ataduras. Digo - camisola. Guardar a tocha. Digo- termômetro. E sorrir bem tranqüila.


Quando ele voltar quero estar melhor. Bem melhor.


Com as letrinhas no lugar certo. E as idéias e a temperatura menos áridas. Digo - tórridas.


Ele odeia deserto. Gosta do mar. Quando ele voltar vou estar com jeito de praia.


Que barulho estranho.


Quando ele voltar... eu ... vou ...

 

 

publicado por Lêda Rezende às 13:51
Minhas Tags: , , , ,

Dezembro 07 2009

 

Cedo já fui cuidar das organizações.

 

Mas antes o cuidado de conferir. Temperatura e chuva. Nada de alarmante. E hoje então. É a data de início da nova estação. Do ano. Esta sim. Desde ontem já bastante festejada.

 

Não pude deixar de lembrar a minha avó. Trate a véspera sempre como véspera, menina, trate a véspera sempre como véspera.

 

Afoita – fui logo festejando. Descrevendo. Nomeando. Vai lá mais saber o que. Passei a véspera adiantando o dia. Mais ou menos assim. Talvez um velho hábito. Ou uma tola pressa em viver. Mas só agora me apercebo deste meu estilo. Vai ver ofendi uma florzinha aqui ou ali. Enfim. O que está feito está feito.

 

Agora vou ficar mais atenta. Acho. Talvez.

 

Subimos juntos na ladeira. Os meus espirros e eu. Uma sociedade imbatível. Solidária. Nem sei quem era mais fielmente parceiro. Os espirros comigo. Ou eu com eles.

 

Sim. Lá vinha outra gripe com força total. Daquelas que já pulou a classificação 1. Já deve estar na 3.

 

Um horror. Ossinhos rebeldes. Nariz que humilharia qualquer plantador de tomate. Olhos piores do que a recomendação do colírio. Ou dos óculos escuros. Um pisar especialmente criado para a ocasião.

 

Lembrava um daqueles filmes onde a roda da carruagem girava em sentido contrário à direção que segue. Sim. Efeito caleidoscópico. Eis uma descrição verdadeira.  

 

E viva a segunda feira. Nada de reclamar.

 

Mas não encerrava aí. A chuva se fez presente. Uma chuva forte. Objetiva.

 

Se é para inundar – pode deixar comigo. Inundou. A temperatura caiu. O frio veio rápido fazer seu papel de figurante. E estava assim instalado o Teatro do Possível.

 

Tudo estava lento. As paradas se sucediam. O fino deslizar do freio sobre os trilhos dava arrepios intermináveis. Mal acabava um ramo dos arrepios – outro já se iniciava. Melhor ficar logo arrepiada de uma vez. Pensei num milésimo de aborrecimento.

 

Mas continuei. E o dia se fez dentro do mais ou menos programado. Entre espirros e tosses. Mas também não foi assim tão monótono. Teve febre. É preciso sempre acrescentar. Nada de minimizar.  

 

Incrível. Não podia ser diferente. Na saída. Ao termino da atividade – mais chuva. E o frio já se fez mais. Virou protagonista. O ventinho vinha certeiro cortando e atravessando a pele. Nunca tinha escutado sobre arrepio de ossos.

 

Mas existe. Vai ver não prestei atenção.

 

Mas estava na hora de por um fim. Resignada – vim feliz para casa. A cada pensamento – em pouco tempo já estarei aquecida - vinha um contraponto. A porta abria. E o frio entrava direto para me cumprimentar. Ou aos meus espirros. Enfim. Para evitar mais os tais contrapontos – parei de pensar. Pensando ou não – estaria em casa logo.

 

E assim aconteceu. Não sem tomar a minha dose correta de chuva.

 

Com a gripe fazendo um percurso nada sorrateiro – decidi por um chá quente. Um daqueles maravilhosos concentrados de chá verde. Um presente para um dia de transtorno. E completei com um banho fervente.

 

Água. Devo ter algum problema grave com água. E sobre isso nunca a minha avó falou. Lembrei do dia da banheira. Hoje foi o dia do chuveiro.

Até quis pesquisar. Quem inventou o chuveiro. Um gênio. Aquela água quente a descer pelo corpo - maravilhoso. Fiquei um pouco mais. Sai. Do Box.

 

Pisei. Na água. De novo – pensei.  Acho que já vivi isto antes. Não dá para rir no Teatro da Repetição.

 

Todo o banheiro estava inundado. A água saiu do chuveiro e aceitou o ralinho interno. Mas vai lá saber por que - desdenhou o ralo externo. E - farta de si mesma - transbordou.

 

Vi que nadava um desavisado fiozinho de cabelo. Um desgarrado. Merecido pensei. Alguém tinha que ser punido. Melhor punir o tal fio desgarrado. Quem mandou cair.

 

De repente - me preocupei. Estava eu ali espirrando e em meio a uma enchente doméstica – a brigar com um fiozinho de cabelo. E com o dedo em riste.

 

Dei ordem de calma. A mim mesma. E me obedeci. Desde o dia da banheira nasceu um aprendizado. O pescoço é giratório. Foi um presente anatômico divino. Pode-se sempre olhar em outra direção.

 

Foi o que fiz. Deixei fiozinho, tapetes e sandálias à própria sorte. Não sou Comandante. Ou Almirante. Posso – com tranqüilidade - ser a primeira a abandonar o navio.

 

E assim fiz. E me deitei. Optei por prestigiar meus espirros. Estes sim – não me deixaram nem um segundo.

 

Melhor dormir. E ceder ao Teatro do Onírico.

 

Amanhã tem mais.

 

 

publicado por Lêda Rezende às 14:50

Novembro 06 2009

 

É uma época de riscos. E de perdas.

 

Isso sem dúvida. As noticias tristes se sucedem. Não adianta fingir que não está acontecendo. Está. É. Cada um com seu temor. Cada um se ausentando de uma socialização. Férias se prolongando.  As ordens são de privacidade.

 

Que os grupos sociais se preservem – se dissolvendo. Esta a tentativa de evitar a propagação.

 

Fosse vivo o mestre surrealista – até ele se assustaria. A Idade Média contracenando com a Idade Contemporânea.

 

Ele chegou. Impossível passar despercebido.

 

Lindo. Cabelinho no corte moderno. Os fios na contradição da Gravidade. A queda da maçã em desafio por um punhadinho de gel. E ele todo orgulhoso da imagem. Perfeito.
 

A mãe segurava-lhe a mãozinha. Ele caminhava confiante. Pequenino – mas confiante. Tinha um jeitinho de feliz. Olhava com atenção em volta. Caminhava entre apressado e contido. Uma tossezinha atrapalhava os comentários que fazia. O vermelhinho do rosto denunciava uma temperatura fora do padrão. Mas parecia desconsiderar.

 

Ela veio. Conferiu a rotina da chegada. Escutou a história. A queixa da mãe. Os sintomas dele.

 

Ele ficou sentadinho. Talvez esperando que o chamassem. Ou só exibidinho em sua arrumação. Vez por outra tocava nos cabelinhos eriçados. Verificava se a desordem estava em ordem. E abaixava as mãos - mais tranqüilo. Como se os próprios dedos valessem por um espelho. Mais uma vez - perfeito. Sábio até. 

 

Ela veio. Sorriu para ele. Fez um comentário para a mãe. Colocou os dois sentados juntos no final da sala. Na última filinha de cadeiras. Só eles.

 

Fez para ele um gracejo. Depois foi colocando uma máscara. No rosto dele.

 

Informava com segurança na voz. Isso não dói. E - objetiva - amarrou os lacinhos da máscara por trás da cabecinha dele.

 

Foi um ato e um gritinho. Assim. Dupla geminada. Sincronismo absoluto.

 

Ele chorou.

 

Ela – surpresa - se assustou. Até se afastou um pouco. Demorou a entender.

 

Quando a dor não é física – fica-se com uma dificuldade maior ainda de mensuração. Ou de compreensão.

 

Mas ele continuou com seu protesto.  Chorou alto. E disse com a voz filtrada pelo material sintético. Estou com medo disso. Desta máscara. Não quero. Quero ir embora. A mãe o acarinhou.

 

Alguém veio em direção a ele. Com voz calma. Explicou. Você agora é o super herói. Por isso está de máscara. Eles todos usam também. Está tão bonito assim. E nem sabemos mais quem é você agora. Igual a um super herói. Ninguém sabe quem é ele e nem o nome dele.

Falou nem tão perto – nem tão longe. Poderia dizer – reservada. Mas tentou assim consolar.

 

Esta foi uma das cenas que não se esquece.

 

Ele parou de chorar. Dava para ver os olhinhos dividindo o espaço com o tecido verde da máscara. Por cima do nariz. A sobrancelha erguidinha. Virou o rosto semi -coberto. E disse. Mesmo com a voz entrecortada. Não sou super herói. Mentira. Ela disse que estou doente. Por isso estou de máscara. Para que ninguém mais fique doente. Super herói não fica doente.

 

Alguns que escutaram – riram.

 

Lembrei do filósofo estudioso do riso. Tem razão. Só é cômico o que excede o trágico. Aquela cena era trágica. Pior ainda. Era também um paradoxo. Não tinha como ser resolvida. Tinha como ser acatada. São ordens. Foi o que ela falou. São cuidados necessários. Completou alguém duas filas à frente.

 

Falou ainda chorando. Manda pararem de me olhar.

 

Submetia-se a uma súbita exclusão. Cuidou da imagem antes de sair de casa. E justamente a imagem – o primeiro item a ser ocultado. Sugeriam ser um super herói. Mas o colocaram sentadinho - distante. Parecia ter um objeto que o escondia – mais se destacava exposto.


O olhar do outro que autoriza. Ou desautoriza. E isso ele sabia ler muito bem. Melhor que qualquer um. Escrevia seu texto como se a folha em branco só a ele pertencesse.

 

Só não sei se pior - ou melhor - do que o espelho.

 

Quando o chamaram pelo nome - olhou para a mãe. Ajustou melhor a máscara. Não passou a mão mais nos cabelinhos.

 

Com voz conformada perguntou: sou eu?

 

 


Setembro 17 2009

 

Não era possível. Justo naquele dia.

 

Inacreditável. Tantos dias para acontecer e tinha que ser justo naquele dia.

 

Mas decidira. Ia fingir que não estava acontecendo. Embora estivesse estampado na face. Estava sim, acontecendo. Ou melhor, estava instalada. Instaurada. Creditada. Debitada. E ela – irritada. Com este contra tempo e contra senso. Mas enfim. Não tinha como modificar. Ao menos não tão rapidamente como desejava.

 

Lembrou que era uma reação anual. Não sabia se agradecia pela anuidade ou se rebelava. Por ter que comemorar. O tal mais um ano.  Mas não deixava de pensar - justo naquele dia.

 

Mas era verdade. Todos os anos. Desde que viera morar na cidade escolhida.

 

Todos os anos na mesma época. Só esquecera de conferir a data e a hora. Deveria ser assim. Cronometrado. No dia tal. Em tal data. E na tal hora. Como prazo de validade de latinha de conserva. Expira dia tal. Expirar.

 

Palavra que a deixou ainda mais rebelde. Inspirar e expirar.

 

Ato simples. Automático. Nem se percebe. Menos naquele dia não sabia o que era mais difícil. Expirar ou inspirar. E ainda havia o espirrar para compor a tríade.

 

Sim. Estava acometida da gripe sazonal. Podia até ser um termo elegante. Mas a gripe nada tinha de elegante.

 

E para completar – a voz.

 

Qual voz – poderiam perguntar os mais invasivos. Nada de voz. Sumira. Até o pensamento era mais audível do que a fala. Abria a boca. Fazia aquele enorme esforço para respirar. Para tentar com que uma só cordazinha vocal funcionasse. Uma que fosse. Mesmo que saísse estranho. Nada. Nem uma só. Um eterno murmúrio. Serviria para nome de filme. Mas a realidade era uma só - estava angustiante.

 

Mesmo assim foi cumprir o combinado.

 

Avisou. Pelo recadinho escrito. Estou já na escadaria. E ainda acrescentou – por escrito – risos.

 

Pareciam amigos antigos. Um reconhecimento. Já se apresentaram rindo.

 

Ele   jovem, alegre. Centrado. Polido. Atencioso. E vale destacar - com voz.
Sim. Um verdadeiro e completo comunicador.

 

Não vai se dizer que ela não se esforçou. Seria uma injustiça. Se o justo era que fosse naquele dia – o injusto seria negar que não se esforçara.

 

Esforçou-se. Falou. Desculpou-se. São surpresas das mudanças bruscas de temperatura. Ele concordou.

 

Ela descobriu que respirar pode ser acessório de luxo. Pode ser dispensado algumas vezes. E por alguns segundos se deu ao imposto e irrevogável luxo de escutar e falar sem um só gole de oxigênio. Parecia já uma maratona.

 

Contou até a própria história.  A história do encontro. Da parceria. Do filme que assistiram ainda sem se conhecer. E como casaram.

 

Depois - escutou. Ele tinha muitos relatos fortes. Curiosos. Interessantes. Familiares. Informativos. Até relato médico. Discorreram sobre joelhos e jogos.

 

Tivesse ela um pouco só mais de voz e explicaria que aquele deveria ser o dia da letra jota.

 

Justo. Joelho. Jogos. Justiça.  Até o nome do filme era com jota.

 

Mas achou desnecessário. Gastaria muitas letras por causa de uma. Pulou esta parte. Não sem antes ficar preocupada com a baixa oxigenação cerebral - dela. Já devia estar causando seus efeitos. Haja visto a celebração que ia propor para uma letra. Ainda bem que sobrou um pouco de bom senso. Ou de oxigênio.  Para manter o silêncio.

 

Ele chegou e saíram todos juntos para jantar.

 

Ela pensou rapidamente – mas bem rapidamente - sobre mais estas letras jota. Mas a esta altura já não falava mesmo. Ele - sempre gentil – fez as vezes dela. E o jantar transcorreu com alegria e confiança. Onde cada um revelou o que achou necessário. Com um off e com um on – para que nada se perdesse ou se ganhasse de desnecessário.

 

O riso correu solto. O que começara na casualidade de um texto lido – se estendeu na concretização de uma amizade incondicional.

 

Estava feita a celebração. Com voz. Sem voz. Com oxigênio. Sem oxigênio. Até com jotas. Riram quando se encontraram. Riram quando se despediram.

 

No caminho de volta para casa, abraçada a ele – entre febre, espirros e mais alguns jotas - lembrou da avó daquela amiga. Ela repetia muito.

 

A força de uma amizade se mede pela alegria do encontro, menina, a força de uma amizade se mede pela alegria do encontro.

 

Procedia. Procede.

 

 


Junho 20 2009

Ela ia falando. Eu ia acreditando. Ela não era de criar contos. Ou de sublimar encontros. Era de efetivar desencontros. Se não estava bom – destituía. Por isso fui acreditando quando avisou. Acabou.

 

Ele ia viajar. Passaria trinta dias fora a serviço da empresa. Naquele país privilegiado. Boa música. Maravilhosas orquestras. Vinhos de especiais safras. Bosques. Rio com nome de valsa. Para completar - até aquelas tortas irrecusáveis. Era bem para lá que ele iria. E para lá ele foi.

 

Observou. Não sentiu saudade da parte dele. Nem uma mínima expressão de quanto-tempo-longe. Sentiu que ia feliz. E que surgira um certo ar juvenil. Juvenil até demais. Olhou. Mudou o ângulo do olhar. Quis ser a mais justa e o menos paranóica possível.  Respirou.

 

Decidiu pesquisar. No caso de estar errada – pediria desculpas. Mas não era mulher de julgamentos errados. Era boa nisso. A própria profissão lhe exigira e lhe qualificara desta forma. Era boa em avaliações. Por isso – mesmo sabedora antecipada – temeu. E tremeu.

 

Abriu a mala. A dele. Perto da hora da saída. Ele – desatento - dava os últimos retoques na imagem. Não a viu abrir. Ainda bem. Porque o olhar dela fora da ordem do selvagem. Do devastador.

 

Encontrou. Vários presentinhos. Que delicadeza. Deveria ser uma princesinha. Sim. Por certo não era para ele usar. Eis algo que tinha absoluta certeza. Esboçou até um risinho. Mas daqueles tetânicos. Com trismo. As crisálidas devem ter trabalhado só para aquelas compras. Eram realmente belas sedas. Suaves ao toque. Belas cores. Fortes. Sedutoras. Mas delicadas no recorte.

 

Agiu.

 

Fechou a mala. Deixou dentro as lindas caixinhas intactas – porém ocas das delicadezas. E ela. Ali. completamente fora - plena de tristeza.

 

Ele se despediu. 

 

Um abraço mais rápido. Um beijo menos efusivo. Não precisa me levar. O motorista virá. Fica em casa mesmo. Olhou para trás mais uma vez ao entrar no carro. Comentou algo sobre a casa. Deu mais um adeus. E saiu.  Assim. Como um ato perfeito de premonição. Ou como um ballet contemporâneo. Cada dançarino com seu ritmo. Mas num mesmo palco.

 

E assim pareceu ser.

 

Enquanto ele de lá se assustava. Ela daqui se mobilizava. Discussões. Exageros. Emoções. Desculpas. Perdões. Nada resolveu. Avisou que era já um assunto encerrado. Um mês se passou.

 

Comecei a rir. Não foi à toa que aquele filósofo diplomata Francês ganhou o ilustre prêmio.  Entendi muito bem o que ele explicava sobre o riso. É preciso exceder duas vezes o trágico para que seja cômico. Começou a ficar cômico.

 

Assunto encerrado é o termo mais flexível que se utiliza. Ou que se desconsidera. Todos buscam a nota de rodapé. Sempre se espera uma báscula. Ele não fugiu à tal regra.

 

Voltou.

 

Chegou com as malas. Tentou abrir a porta. Não conseguiu. A chave desobedecia. Ou a fechadura não reagia. Compreendeu de imediato. Esbravejou. Um homem tão ilustre. Esbravejou.

 

Ela firme – mas assustada - telefonou para aquele número hollywoodiano. Sim. Porque até aquele dia só o reconhecia por filmes. O tal número. Veio o reforço. Ele desconsiderou. Também fez outra ligação. Para o mesmo número. A esta altura já mais suburbano que hollywoodiano. Veio outro reforço.

 

Uma porta.

 

De um lado – de dentro – ela. E sua decisão.  

Do outro lado – de fora – ele. E sua intenção.

 

Para completar as malas. Duas policias. E a porta. Imóvel. Fria. Só não diria ausente porque esta palavra não cabia. Mas ficava ali. As policias negociavam entre si. Alguém tinha que ser convencido. Demorou. Mas enfim - um consenso.

 

A porta não abriu. Ele deu as costas e se foi. Ela foi para o quarto. 

 

Nesta noite chorou. Toda a noite. Se culpou. Se recriminou. Se descabelou. Se perdoou. E se curou.

 

Não cedeu. Sabia que a concessão lhe cobraria um preço maior que a possível solidão anunciada. E o que está destituído – não pode ser restituído.

 

Pensou algo por aí. Pensou muito mais. Talvez nunca tenha pensado tanto durante uma noite. E teve mais certeza quando a noite se foi. Concluiu. No final cada um é refém dos próprios atos. Que cuide muito bem, então, do próprio cativeiro.

 

Pela manhã abriu a porta. Saiu. Para o trabalho. Para a responsabilidade. Para os propósitos e os projetos.

 

Nada quis. Nada pediu. Só caminhou no percurso que escolheu.

 

E recuperou a si mesma. Por inteiro.

 

 


Junho 01 2009

Devem já ter inventado algo melhor. Mas naquele momento só pensava nisso. Obsessivamente. Não poderia existir sensação melhor. Nem certeza mais evidente. Ou planejamento mais adequado. Sequer idéia mais agradável.

 

O momento ia chegando e eu me despojando. Encerrando as formalidades. Liberando a escuta. Despertando o instinto primitivo. Trazido pelo encanto. Como por um encanto, melhor referindo. Entre o abrir e fechar de pálpebras – respirava alegria.

 

Assim entrei em casa. Muitos quilômetros de trilhos depois. Na sexta feira.

Já começando a anoitecer.  Bendita sexta feira. Folga de final de semana.

 

Inteirinho. Sem compromissos profissionais. Sem tarefas. Sem relógios. Sem programação definida. Um feliz excesso de sem.

 

A meteorologia informava. O clima estava oscilante. Mas nem me incomodei.

Em geral tudo é oscilante.

 

Não parei para pensar - nesta observação filosófica. A de que tudo é oscilante. Deveria. Filosofia é assim. Se você a deixa inquieta é porque ela está certa. Quase como um axioma. Rimado - mas nem por isso menos verdadeiro.

 

O jantar se propunha maravilhoso. A música escolhida em conjunto. Sentamos diante de nós. Diante da mesa. O rubro na taça dava um toque mais profundo.  O colorido do cardápio sugeria uma certa leveza. A mistura dos aromas indicava uma celebração. Nossas vozes emolduravam os assuntos.

 

Sim. Estava inaugurado o final de semana. Podia ser repetitivo. Semanal. Lógico. Mas sempre é festejado quase como único. Porque dá o ponto final. Na lista de obediência. Final-de-semana deveria ser definido como Final-de-Obediência. Por que é o que se faz. Desobedece-se regras socialmente estabelecidas. Para se privilegiar regras individualmente reconhecidas. Perfeito.  E como dizia o Frances. Só se repete o que não tem completude. Ainda bem. Pensei eu.  

 

De repente - uma nova sensação. Melhor dizendo. Uma sensação nova. Mais forte. Mais contundente. Isso para não dizer objetiva. Decidi fingir que não via. Ou que não era comigo. Endereço errado.

 

Não funcionou.

 

Aquela dorzinha não saia de perto. Das costas. Dos braços. Dos olhos. Até dos joelhos. Dorzinha xifópaga. Assim parecia. Porque para onde eu virasse – ela virava junto. Até para onde eu olhasse. Ela se permitia também olhar.

 

Me recusei a admitir.

 

Mas ela não estava predisposta a rejeição. Ou a discussão. A dorzinha. Queria se fazer destacada. Queria atenção.

 

Admiti.

 

Sai da mesa. Do som escolhido. Do colorido dos pratos. Do rubro na taça. E fui verificar o que se passava. Um frio percorreu todo o corpo. Mas percebi que não percorreu o ambiente. Um frio talvez mais egoísta. Com mania de privacidade. E escolheu a mim. Apenas a mim.

 

Não terminei o pensamento.

 

Uma tontura impetuosa me fez pensar na frase do mexicano. Sim. Nunca mais. Mas nem era mexicano o tal rubro. E eu nem tinha ainda começado. Deveria ser forte. Fazia efeito no tocar dos dedos no cristal. Vive la patrie. Dele. Porque a minha estava acabada.

 

 

Aquele apitinho foi decisivo. Demorou um pouco a se manifestar. Mas quando veio foi com um estilo dissociativo. Apitou de um lado. Cai deitada do outro. O frio egoísta se impondo. Não havia volume que desse conta. Nem em número. Nem em plumas. Nem em penas.

 

Engolir comprimido tremendo deveria ter algum mérito. Processo também dissociativo. A mão não obedecia ao que a boca – disponível - aguardava. O braço não obedecia ao que a mão - ansiosa - intentava. Nada parecia ter ordem.

 

Daí me lembrei. Do pensamento filosófico. Em geral tudo é oscilante.

 

Foi o último pensamento eficaz. Que me lembro. Estava assim decidida a programação do final de semana.

 

As regras seriam ditadas por um apitinho. Os festejos em volta de um comprimidinho. A dança compassada por um frio egoísta. A parceria evidenciada pela gemelaridade. Corpo e dor. Maestros rígidos e explícitos.

 

Conclui. Entre calafrios. Filosofia rimada nem sempre é verdadeira.

 

Em geral – nem tudo é oscilante. 

 

 

 


Março 22 2009

Quem será que teve a idéia. Como diria minha avó. Toda idéia tem que ter um motivo, menina, tem que ter um motivo. Falava algo mais ou menos por ai. Na realidade acho que se viva ela estivesse me daria um puxão nas orelhas. Onde já se viu. Ficar repetindo o que ela falava assim. Sem mais nem por que. Ela também adorava uma pilastra. Herdei dela. Agora estou saindo junto com ela. Da pilastra.

 

Mas enfim. Quem será que teve aquela idéia. Eu, de pé diante dele, tentava achar uma explicação. O tal motivo. Basculava se teria uma conotação terrena ou divina.

 

Um calor que poderia ser comparado a um outro, não fosse a impropriedade do termo em meio ao ambiente.

 

Colocaram um foco de luz. Um enorme foco de luz. Nos degraus da escada. Vai ver foi o mesmo decorador da enorme pedra.

 

E ficava atrás de mim. Também atrás dele que estava ao meu lado. Imaginei mil títulos de reportagem. O tule incendiado. Fogo na cerimônia. Cabelos tostados. Calças queimadas. Lembrei do filme. Paris está em chamas. Até uma mais trágica. Tochas humanas. De um outro filme. Por quem os sinos dobram. Não faltaram slogans.

Lembrei dos cílios. Do ventinho suave. Das ameaças da véspera. Do riso na cozinha. De nada resolveu. Podia piscar acelerado que não diminuía o calor. Olhar plumoso. Nada resolvido. E o calor aumentava.

 

Ainda tinham os fotógrafos. Com um foco de luz. Um carregava o foco. O outro a câmera. Acharam poucas as luzes. Olhei para baixo. E atrás. O enorme foco ficava aos pés. Nos calcanhares -  para dar uma precisão anatômica. Aquiles teria se sentido vingado. Ou solidarizado.  Nada de tendão cortado. Isso era coisa do passado. Tendão assado. Tostado. Incinerado. Nem precisei me esforçar para não rir. Não estava em condições locais e climáticas que permitissem o riso.

 

Ele me sussurrou. Sentia os pés queimando. Fiz que se faz nestes lugares. Para que fosse apenas uma metáfora. Depois informou. Nem sentia mais os pés. Já deviam estar necrosados. Novamente não precisei conter o riso.

 

Tentei piscar mais uma vez para diminuir o calor. Nada. Vou processar o fabricante. Dos cílios. Do foco vou pensar. Não pode ser nada assim. Sem muita reflexão. Até porque reflexão é o termo exato.

 

Mas como vivo agora entre sustos lá se veio mais um. Olhei, tranqüila, para as pessoas que estavam em frente ao grupo que eu estava. Havia, dentre eles, uma mocinha. Vestido azul claro. Longo. Cabelos longos. Pele clara. Uma franjinha. Não acreditei no que vi. Lembrei dos desenhos animados. Os meus emplumados olhos saindo da face com uma molinha. Fiquei mais atordoada do que pasma. Entendi até o ator-doado de tempos idos. Vai ver foi assim que começou. O atordoamento dele.

 

Os cabelos dela, a franjinha - voavam. Os fios até chegavam ao rosto. Ela, já com impaciente delicadeza, afastava da face. Olhei para todos os lados. Para cima. Para baixo. Queria descobrir. De onde vinha o vento. Pensei assustada. Seria dos meus cílios postiços. Testei. Mantive os olhos fixos. Como aquela brincadeira de criança. Nada. Eu fiquei catatônica e suada. Os cabelinhos dela voavam. Pensei de novo. Porque será que Ele só gosta dela. Faço nada de tão errado assim. Porque esse demérito. Ou seria uma forma divina de lembrar. As diferenças. As culpas. Lá me lembrei do russo novamente.

 

E suava. Suávamos. E o calor aumentava. Só conseguia pensar nos destaques das noticias. Já sentia até o cheiro do couro queimado. Dos sapatos dele. Ou dos pés. Olhei para o fotógrafo que se postou a minha frente. Imediatamente me veio à mente um termo cientifico. Sudorese profusa. Isso dá até UTI.

 

Mas acho que Ele se apiedou. Porque foi rápida a resposta aos meus pedidos. A lâmpada. O foco. A luz. Apagou. Apagou. Esta única luz apagou. As demais continuaram acesas. Desta vez foi diferente.  Me deu vontade de rir. Enfim. Tive que conter o riso. Olhei para cima. Pedi perdão pelo riso afoito. Pelo pensamento que insistia em se fazer notado. Porque pensei que podiam ter sido os meus cílios. Vai ver olhei séria para o foco. Ou pisquei para ele. E ele apagou. Assim nas costas. Contive o riso.

 

Um escuro se fez. Ao contrário do que se fala. Bem ao contrário. Foi quando a luz apagou que veio a esperança. E prosseguia a cerimônia. Sem interferências. Com menos risco de furo jornalístico. Os pés dele sobreviveram.

 

Olhei para ela mais uma vez. Continuava tranqüila. Os fios da franjinha dela, irreverentes, esnobes, ainda voavam.

 

Aceitei. Agradeci. Não ao Edson. Não ao fabricante.

 

Olhei para Cima. Agradeci!!!!!

 

 

publicado por Lêda Rezende às 14:44

Blog de Crônicas - situações do cotidiano vistas pelo olhar crítico, mas relatadas com toda a emoção que o cotidiano - disfarçadamente - injeta em cada um de nós.
Para os mais curiosos:
On-line!
Meus visitantes

Dating
pesquisar
 
Comentaram o que leram!! Obrigada!!!
Estou bem obrigado
Olá Leda, tudo bem?
Olá LedaVocê está bem?Um Beijo de Portugal
Olá!!!Não consegui encontrar o teu blog no blogspo...
Parabéns pelo seu post, está realmente incrivel. V...
mau e excelente!!!!
Ótimo ||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||...
Gostei.
COMO PARTICIPAR NAS EDIÇÕES DO EPISÓDIO CULTURAL?O...
Blog interessante, é unberleaverble como algo tão ...
Julho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
23
24
25
26

27
28
29
30
31


subscrever feeds
blogs SAPO