Blog de Lêda Rezende

Março 28 2009

Ela estava curiosa. Queria saber da festa. Do casamento na roça. Dos novos amigos conquistados. Dos velhos amigos referendados. Ela era a própria interrogação. Até brinquei. Que torcia para só deixar exclamações. No lugar das interrogações. Nas respostas. E nenhuma reticência. Para que ela se satisfizesse. Mesmo estando tão longe.

 

Esta coisa de além-mar sempre é problemático.  Isso aprendi faz tempo.

 

O que impede a rotina é distante. O que impede o impulso é distante.  O que tem que ser planejado demonstra a distância.

 

E assim ela está. Distante. Não sei se já sentiu isso. Se já aceitou. O planejamento. Ela é sempre muito reservada. Em seus temores. E até em suas ansiedades. Aguarda os acontecimentos. Aliás, assim a definiria. O estilo aparente dela. Só o aparente. O de dentro ninguém sabe. Muitas vezes nem o próprio dono. Pode-se ser senhor de si. Mas é muito mais complicado ser dono de si. Minha avó sempre me disse. Aparência é igual a dúvida, menina, igual a dúvida.

 

 Muitas vezes penso que só eu sou ansiosa. No mundo. Porque todos sempre me parecem tão resignados. Diria até amadurecidos. Só eu sofro de mania de surpresa. Mas lembrei – agora - do poeta português. Falou que só ele apanhou na vida. Os amigos todos só se deram bem. Pode ser engraçado. E por isso mesmo verdadeiro. Assim são as aparências. E muitos dos auto-relatos. Vai ver por isso não há julgamento definitivo. Dever ser isso que significa a palavra instância.

 

Mas hoje falamos. Usamos das modernidades. Para isso estamos neste século. Para usufruir o que ele apresenta de melhor. As modernidades nas comunicações. E celebramos a evolução. Cedo para uma. Já tarde para outra. O relógio não obedece a novidades. Mantém seus fusos intactos.

 

Podem inventar o que quiserem. O tempo real é domínio do relógio.

 

Estava tão séria. Senti pela impressão digital. Também tenho meus critérios evolutivos. Não são só corporativistas que o detêm. Perguntei. Pela seriedade. Contou. Com direito a dois pontos e hífen.

 

Saíra ontem. Para um jantar. Arrumara-se. Escolhera com detalhes. Tudo que iria acrescentar. À sua imagem. Tudo em estilo outonal. Olhou-se no espelho. Gostou do que viu. Segurou a própria bolsa. E desceu as escadas.

 

Sempre faz isso. Despreza o elevador. Acha que ele só serve para elevar flacidez. Dos músculos. E recusa-se a compactuar com ele. O elevador. E lá se foi. Tudo ia muito bem. Até que chegou na escada que dá acesso a uma calçada. Como de hábito também desprezou o corrimão. Artefatos desnecessários. Seguia este conselho de uma parente sofisticada. Uma mulher desce as escadas sem olhar os degraus. Como aquela atriz magrinha dos filmes antigos. Observe se algum dia ela desceu uma escadaria olhando para os pés. Nunca. Só olhando em frente. Vai lá saber os truques negativos da memória. Foi relembrar disso justo naquele momento. Obedeceu.

 

Repetiu. Desceu olhando em frente. Segura apenas em sua bolsa.

 

Outono. As árvores se desfolhando. O céu cinza escurecendo para a noite. Muitas folhas pelo chão. Pelos degraus. Linda cena. Como uma tela de francês impressionista. Se não fosse - de novo - a intervenção da realidade.

 

Cruel realidade sazonal. Olhando para as árvores. Pisou nas folhas. Escorregou. Nas folhas. Que aceleraram a descida. Desceu os degraus numa posição nada convencional. Nada em combinação com a proposta. E se viu na calçada. Rasgara a saia. Machucara o braço de leve. A musculatura reforçada pelo não uso do elevador sofrera menos com o impacto. É certo que caiu. Mas me acrescentou. Lentamente. Muito lentamente. Nada de alvoroço em quedas. Isso nunca.

 

E fiquei pasma com a continuação do relato. As meias. As meias não rasgaram. Nada daquele comentário desolado de fio puxado. Em meio a tudo isso. Diante do outono. Diante dos galhos desfolhados. Poupara a meia fina de seda.  

 

Lembrou da parente sofisticada. Também pela impressão digital pude sentir. O olhar fino e irado pelo pensamento. Da orientação da parente. Mas se recuperou. Levantou-se também lentamente. Não por imposição de elegância. Desta vez a dor fez esta aparência prevalecer. Não gemeu. Não chorou. Conferiu as meias. Continuava segura na bolsa. Ajeitou os cabelos e continuou.

 

Foi ao jantar assim mesmo. Com o pequeno rasgo na saia. Mas com as meias perfeitas. Alguns apontaram. E perguntaram.  Outros nem notaram. E se anteciparam.  Só ela ria. Com um certo disfarce. E muito esforço. Para destravar o olhar fininho da lembrança da parente sofisticada.

 

Na manhã do dia seguinte a musculatura dolorida a despertou para o dia. E para as interrogações. Olhou a saia no cabide. Com seu pedacinho também sofrido. Olhou para as meias. Sorriu. Conferiu os dedinhos das mãos. Intactos. A conversa poderia se estabelecer. Com fuso ou sem fuso. Com rasgo ou sem rasgo. De folhas a flores. De outono a primavera.  

 

Uma lady!

 

 

publicado por Lêda Rezende às 23:51

adorei o texto como sempre, principalmente a parte final, falaste da vida e de todas as ansias dela...
É um prazer vir aqui...

Bah cara amiga, amanha é dia do impiedoso despertador...
O vento e o frio mantem-se por cá...

Beijos grandes
Teresa Isabel Silva a 29 de Março de 2009 às 18:54

Blog de Crônicas - situações do cotidiano vistas pelo olhar crítico, mas relatadas com toda a emoção que o cotidiano - disfarçadamente - injeta em cada um de nós.
Para os mais curiosos:
On-line!
Meus visitantes

Dating
pesquisar
 
Comentaram o que leram!! Obrigada!!!
Estou bem obrigado
Olá Leda, tudo bem?
Olá LedaVocê está bem?Um Beijo de Portugal
Olá!!!Não consegui encontrar o teu blog no blogspo...
Parabéns pelo seu post, está realmente incrivel. V...
mau e excelente!!!!
Ótimo ||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||...
Gostei.
COMO PARTICIPAR NAS EDIÇÕES DO EPISÓDIO CULTURAL?O...
Blog interessante, é unberleaverble como algo tão ...
Março 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21


30


blogs SAPO