Blog de Lêda Rezende

Janeiro 25 2010

 

Nem acredito no que estou vendo.


Não é que é ele ali?

 

Nunca venho aqui e justo hoje tivemos que vir os dois. E ainda tem esta fila que não anda. Nem a minha nem a dele. Queria saber mais geometria.

 

Estamos num paralelo ou numa perpendicular? Já esqueci disso tudo. Também vê se isso é lá pensamento para me deter. Pior é encontrá-lo aqui, assim, ao vivo e de corpo inteiro. Sempre o vi pela metade.

 

Será que o mundo foi construído no tempo em quem um caixa digitava as compras?

 

E pensar que nem Roma foi construída em um dia! Devia ter caixa e computador lá também. E duas, provavelmente.

 

Ele continua olhando. Será que me reconheceu ou está pensando que sou outra pessoa? Ou pensando que sou outra e se também vizinha dele?

 

Deve ter mais vizinhas que ele fica olhando, afinal, tem que revezar o turno e as pessoas.

 

Todos trabalham, acho que só ele não.

Será que aquela senhora vai demorar muito retirando as compras do carrinho? Talvez eu devesse ir ajudá-la, mas vai lá que ele pensa que eu estou desfilando para ele.

 

Deve ter mil taras, sempre soube que uma tara puxa outra.

 

Ainda bem que aqui está bem cheio de gente, se ele se atreve a alguma coisa dou um escândalo.

 

Ele iria adorar se soubesse que enfim eu dei um escândalo por me sentir ameaçada.

 

Mas será que eu daria mesmo? Acho que as ameaças acabam por me paralisar. Belo diagnóstico: ela sofre de paralisia de ameaça. Ridícula mesmo eu. Na minha idade e com uma paralisia destas. Devia era me envergonhar.

 

Ele está olhando de novo, agora sinto o olhar em meu cabelo. Que vontade de passar a mão na cabeça, mas ele vai achar que estou sabendo para onde ele está olhando. Tenho mania de pegar meu cabelo. Desde pequena faço isso.

 

Ele tem razão quando fala que não cresci.
É verdade. Ou cresci conservando o que não devia. As manias, os medos.
Queria que ele estivesse aqui comigo, mas ele não viria, não quer que sejamos vistos fazendo compras como casal casado. Mas bem que eu gostaria de mostrar a ele o tal vizinho.

 

Essa fila parece que vai durar a vida toda. Ele está agora bem atras de mim, acho que de uma perpendicular...ou seria uma diagonal? De nada adiantou estudar tanta geometria, numa emergência de descrição, sumiu tudo.

 

Quem mandou aquela moça desistir do lugar? Agora sim, estamos mesmo perto.

 

Será que tem algo de errado com meu sapato?
Ou será que a outra tara dele é podofilia?

 

Será que não tem gerente aqui? Alguém tem que vir ver o que se passa com este computador. Será mesmo tão difícil vencer de uma máquina?

 

Então ele gosta de comer saladas, não é? Só tem salada naquele carrinho, parece a selva. Deve ser para não engordar e não cair da janela.

 

Quase ri agora pensando nele gordo se espremendo na janela para olhar a vizinhança.

 

Sim, porque agora tenho certeza de que ele faz isso com toda a vizinhança.
É um tarado público. Um tarado com olhar promíscuo.

 

Pronto, agora ri mesmo.

 

Ele nem vai acreditar quando eu contar que fiquei tão perto do vizinho. Pior que vai me perguntar como o reconheci tão rápido se é ele quem me olha e não eu para ele. Agora ele está ficando meio ciumento. Ou finge, não sei. Ele é tão seguro.

 

Acho que vou desistir desta fila. Mas sempre tem aquela coisa de quando se troca de fila ela anda e a que vamos para. Ele agora está também olhando para o meu carrinho. Vai pensar que sou alcoólatra, porque só tem bebidas. mas estavam na oferta e não quis perder, afinal o inverno está chegando.

 

Mas o que estou eu fazendo? Me explicando para ele em pensamento? Compro o que eu quiser e que cada um pense o que quiser.

 

Ele iria dizer que sou desaforada. Adoro quando ele me diz isso. Me sinto tão corajosa. Acho que ele fala para me estimular, ele bem sabe que sofro daquela paralisia que não quero repetir o nome nem em pensamento mais.

 

Até que enfim a fila começou a andar. A dele ainda não. Ótimo, assim saio antes dele e desapareço. Ele não vai saber por onde vou. Que bobagem. Se ele sabe onde moro por que iria querer saber um simples roteiro de acesso?

 

Adorei meu Português agora. Preciso falar sempre assim.

 

Mas que azar o meu. Agora é ele que está na frente.
Pronto.
Ele já se vai agora.
Vou fingir que não vi que ele está olhando para trás.
Pronto.
Se foi.

 

Voltou. Voltou? Porque será que voltou?

 

Ah! Esqueceu um pacote. Está falando com a moça do caixa.
Ficou de frente para mim.
Me olhou. Devolvi um olhar bem sério.

 

Mas... não acredito no que estou vendo, todo esse tempo eu aqui indignada e:
o “vizinho” não é o vizinho!

 

 

publicado por Lêda Rezende às 23:59

Blog de Crônicas - situações do cotidiano vistas pelo olhar crítico, mas relatadas com toda a emoção que o cotidiano - disfarçadamente - injeta em cada um de nós.
Para os mais curiosos:
On-line!
Meus visitantes

Dating
pesquisar
 
Comentaram o que leram!! Obrigada!!!
Estou bem obrigado
Olá Leda, tudo bem?
Olá LedaVocê está bem?Um Beijo de Portugal
Olá!!!Não consegui encontrar o teu blog no blogspo...
Parabéns pelo seu post, está realmente incrivel. V...
mau e excelente!!!!
Ótimo ||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||...
Gostei.
COMO PARTICIPAR NAS EDIÇÕES DO EPISÓDIO CULTURAL?O...
Blog interessante, é unberleaverble como algo tão ...
Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
14

17
18
19
20
21
22

24
26
27
28
29
30



blogs SAPO