Blog de Lêda Rezende

Maio 20 2010

 

Lembrei dele. Já faz tanto tempo. Nem sei como me ocorreu agora. Que ele veio fazer nessa confusão. Ri. Mas tinha mesmo que aparecer. Sempre foi na confusão que ele aparecia. Só na confusão ou pela confusão eu ia até ele. Ou fui até ele.

 

Ele era diferente. Não era linear. Nem tinha raciocínio horizontal. Trabalhava de forma especial. Hoje acho que mais se divertia. Porque ria sempre em meio às tragédias relatadas. Enquanto todos recomendavam a escuta sem emoção - ele ria. Entre significantes e significados ele escolhia o riso descombinado. Como um signo. Encerrado em si mesmo.

 

A sala não era iluminada. Era meia luz. Vinha de um pequeno abat-jour num canto escondido. Hoje acho que entendo porque. Ele deixava que cada um se confortasse no escuro. Ou buscasse a sua própria luz. Não queria saber de competição. Parece pobre a idéia, mas tinha ricos efeitos. Ou riscos e efeitos.

 

O sofá era preto. Como preta deveria ser a vida até ali. As cores iam surgindo nos discursos de cada um. Numa sala sem luz e sem cores. Engraçado. Fui lá tantos anos e só agora tudo isso me ocorre. Ele nem pode imaginar. Se soubesse iria fazer como sempre – riria.

 

Era passional. Não podia. Nem devia. Mas era. Não sabia ser totalmente técnico. Usava a técnica para se sustentar no Lugar. Mas tinha um estilo passional. Lembro que quando se sentia saindo muito do Lugar ele se mexia na cadeira. Para que a cadeira lhe lembrasse o Lugar. A cadeira como censor. E sensor. Falava mais do que devia. Preferia não seguir o manual.

 

Nessa época estudava sobre o desejo. Desejo ocupa muito espaço. Todo o espaço. Retira todo o oxigênio. Impede até a luz. Tudo permite e tudo impede. Desejo é autônomo, desobediente e irreverente. Mesmo parecendo caber no mínimo, é um invasor espacial. E atemporal. Sem terra e sem teto. Mas se abriga onde quer. Como uma figura da topologia. Está mas pode não estar. Sem bordas e sem fronteiras. Ri. E sempre achei que fosse o contrário. Cada riso com seu gozo. Ou cada gozo com seu riso. Desejo é coisa séria. Mas não deve ser levado a sério. E o sujeito está sempre oculto. Viva a gramática do desejo.

 

Quando ele me sentia muito angustiada me mandava escrever. Não mandava. Sugeria.

 

E muito me estimulou. Lembro de um dia em especial. Nesse dia falávamos sobre alternativas. Lamentávamos a Economia. A nossa Economia. Chorávamos as nossas pitangas. Como simplificaria sabiamente a minha avó. Mostrei a ele o primeiro escrito.Foi tão por acaso. Que escrevi. E que mostrei. Sabe-se lá por que, criei coragem. Abri a gaveta. Retirei o papel. Entreguei a ele. Leu em silêncio. Foi ficando sério. Mudava a expressão do rosto com o caminhar dos olhos pelo papel. Eu mal respirava. Já me via igual desenho animado. Jogada porta a fora e com os papeizinhos por cima. Por última vinha a bolsa.

 

Surpresa. Comparou-me a poetas. Coitado dos poetas.Mas ele ficou encantado. Leu e ficou encantado.

 

Abriram um concurso. Me inscreveu. Pôs meu nome e um codinome. Rimos muito do codinome. Também grego. Nome e codinome remetendo aos gregos. Vai ver mais um sintoma. A pobre deusa grega que tanto entendia de amor estava ali em meio a um concurso de amadores. Pelo menos era de ama-dores. Ri agora. Planejávamos o que iríamos comprar com o dinheiro do prêmio. Como era perto do Natal faríamos a festa do Tender.

 

Nem prêmio, nem dinheiro, nem compras. Muito menos o Tender. Ficou revoltado. Disse que não havia lisura no concurso. Desacreditou juízes e vencedores.

 

Os escritos ficaram. De um viraram muitos. Tantos que perdi a conta. Escrevia noite e dia naquela época. Lembro agora das noites inteiras escrevendo. A qualquer hora ia escrever. Muitas vezes acordava no meio da noite e ia escrever. Até que certa vez me encomendaram uma resenha. A autora do livro a ser resenhado escrevera sobre a feminilidade. Nunca havia feito algo parecido. Mas escrevi. E entreguei na Editora no prazo estipulado. Não vou esquecer o dia em que me telefonaram de volta. Seria publicada. Abri o livro de resenhas. Li o meu texto. Li o meu nome. Chorei. Lia e relia para acreditar que era eu mesma. Que era meu o nome.O nome da gente num impresso público parece tão alheio a nós. Causa certa estranheza. Nos excede. Como se fosse uma outra pessoa. Fora do próprio domínio.

 

No primeiro dia que fui lá cheguei arriscando. Carregada de coragem. Achava que já sabia tudo. Pior ainda. Achava que me lembrava de tudo. Ilusão. Descobri os hiatos. Os atos. Os falhos. As lembranças encobridoras. Perdi meus óculos de sol na primeira vez que sai de lá. Deixei num banheiro de um shopping.

 

Ali falei durante anos. No sofá preto. Na sala escura. Um dia calei. Não queria mais ir. Ele concordou. A porta se fechou. Não tinha janela. Segui para o mundo. Para um mundo onde rótulos não mais cabiam. Cada um se rotule quando puder. Porque há nada mais impossível que rotular. Parece simples. É prático. Mas os rótulos sempre escorregam. E vão parar onde nem se imagina.

 

Ele ficou lá. Eu vim para cá. Nos perdemos em meio às mudanças. Deixei-lhe as cadeiras. A marca do Lugar marcado. Repetitivo mas funcional.

 

Rio agora da conclusão. Entrei com uma valise de rótulos. Sai – feliz - com as mãos vazias.

 

 



publicado por Lêda Rezende às 15:22

Maio 19 2010

Tomara esta decisão. Sim. Seria seu presente de aniversário. Fui incluída. Veio no vôo da tarde. Ele foi buscá-la e enviou um recadinho. Para mim. A águia pousou. Comecei a rir. Estava deflagrado o final de semana.

 

Viera para assistir a peça. No Teatro da Livraria que tanto adorava ir. Tinha corpo, tinha alma, tinha moral, tinha traição. Tinha também tradição. Tinha a morte e o matar. Tinha até a lei e o espírito da lei. Sentou-se diante de todo este excesso. Diante do palco.

 

Lembrou das faltas. Naquele segundo em que um pensamento se instala. Como um entreato. Um corte de cena. Mas não chorou. Só lembrou.

 

Fora uma época farta. De ausências. Devia ser por isso que agora a alegria se contrapunha. Intensa. Semelhante. Não sabia se chorava sobre o caixão ou sobre os papéis. Muitos papéis sobre a mesa. Envelopes abertos e contas. Muitas contas. Naquele momento compreendeu – implícita e explicitamente - o significado da palavra falta. E o ato de chorar. Cada vez que enxugava o rosto, mais o olhar sobre as faltas ficava mais nítido. Ou desembaçado, como diria a minha avó.

 

Decidiu então parar de chorar. Estava já com uma reação colateral perigosa. A nitidez. Cortou.

 

Falta é uma função. E deve ser tratada como tal.

 

Curiosos - assistimos. Eufóricos - saímos. Do Teatro. Viemos para casa. Ele discordou de um comentário. Contestou. Deixou o espaço silencioso. Novamente a falta se fez presente. Faltaram palavras. Pelo menos as que seriam certas.

 

Falta vive se esgueirando. Atrás de uma porta, em cima de um armário, debaixo de um móvel. Surgiu uma oportunidade e lá vem ela rápido para o sofá da sala. Instala-se como convidada especial. É preciso estar sempre atenta. Para não ceder o lugar com tanta disponibilidade. Não conheço o que ocupe mais espaço que a falta.

 

Mas o vinho veio em auxilio. Respondeu eficaz ao chamado. Il brindisi. Bebemos e rimos por horas. Sentadas diante da mesa. Na cozinha.

 

Noite adentro. Alma a fora.

 

Tantas lembranças. Tantas pessoas. Ela repetia uma frase que era titulo de um filme. E riamos mais ainda. Os convidados evocados chegavam. A Humanidade veio caminhar em nossa cozinha. Individualmente. Às vezes aos pares. Outras vezes em turma. Tinha o idealista. O realista. O pessimista. O romântico. O sádico. O amadurecido. O adolescente. O criador. O ator. O avarento. O descobridor. O doutor. O falso libertador. O aposentado. A teórica. A milionária. A nova milionária. A que trocou de opção. A que manteve a solidão. Os que saíram mais cedo. Os que saíram mais tarde. Os que ainda estão.

 

A cozinha se fez exígua para caber todos os personagens evocados e convocados. Ficamos espremidas – também como diria a minha avó – em meio a esta confusão toda.

 

Diante de nós o cenário se mantinha. Quando Morfeu nos deu por vencidas, calamos. Nos recolhemos do nosso pequeno palco. Dispensamos os personagens.

 

Ele me aguardava. Silencioso. Decidira não participar além do já participado. Talvez uma sábia decisão. Sempre digo que ele é sábio. Se fez dono do silêncio.

 

Silêncio deve ser um jogo. Quando um o ganha, o outro o perde. Jogo de dupla. Deve ter também o match point. O domínio se abastece de silêncio. Li isso num livro uma vez. Quando é quebrado, perde sua força e até sua estética. Já não sei mais. Se foi assim que o livro falava. Mas lembrei disso agora. Nem sei porque. Deve ser ainda o efeito. Do vino. In vino veritas. Cresci escutando esta frase. Acho que agora entendi. Ri.

 

Pela manhã o preço. Que amanhecer. Amanheceu. Que rápido. Sim. O russo tem razão. E o austríaco também. Sempre tem um preço. Mas este seria pago estilo riso pelo riso.  E amanhecido. Riso amanhecido é o que há de melhor. A ser comemorado. Lembrei agora daquele filme. O personagem tinha o riso colado. Na face. Assim parecíamos.

 

Quando ela chegou para a rotina do dia recebeu, de imediato, uma lista de pedidos. Citados do alto da escada. Toda a rotina alterada. Ela se confundiu.

 

Café da manhã com macarronada.

 

Nunca vira antes assim. Falou que estávamos rindo muito. Suspeitou da causa. Formalizou o diagnóstico. Eu negava. Negava rindo. Ela denegava. E ria. E ela, assustada, obedecia.

 

Não existe melhor maneira de impor obediência. Só a surpresa faz um efeito tão imediato. Do faça ao feito é só uma questão de tempo operacional, não tem dialética que se interponha.

 

Subiram as bandejas. Parecia um banquete às avessas. Macarronada, molho à bolognesa, ovos mexidos e soro oral para hidratação. Soro oral foi perfeito. Mais risos. Fez um efeito maior que o vinho. Aquela humilde garrafinha plástica, contendo um ingênuo líquido cor-de-rosa, causou mais riso que o mais seleto dos vinhos. Muitos risos. Os enólogos podem me encarcerar, mas é verdadeiro. Ríamos só de olhar para a garrafinha.  Mais risos. Nem na Sicilia seriam tão criativos. E olha que criatividade lá não falta. Até vulcão tem.

 

Quando a cura se estabeleceu, saímos.

 

Só um destino cabia. Recuperadas da nossa festa isolada, convocada, invocada e povoada, fomos para o lugar significante. Ou Lugar significante. Ou Significante. Sem Lugar. Nem lugar.

 

Maiúsculas e minúsculas não foram inventadas à toa. É parte de um processo filosófico. Não sei bem porque, mas não se aprende isso em cultura formal. Só na informal. E talvez individual. Seria muito útil ao caminhar da Humanidade noções básicas como essa. A Filosofia das maiúsculas e minúsculas.

 

Liberdade. Assim foi comemorada a data de nascimento e renascimento. E – a partir deste momento – com uma maior tentativa de sabedoria, sem convocações nem provocações. Ficou assim proposto e acordado pelas partes envolvidas. Nos despedimos. Entrou no vôo de volta. Em todos os vôos de volta.

 

E - no último aceno já na escada de acesso ao embarque - demos vivas a Marco Polo!

publicado por Lêda Rezende às 16:27

Blog de Crônicas - situações do cotidiano vistas pelo olhar crítico, mas relatadas com toda a emoção que o cotidiano - disfarçadamente - injeta em cada um de nós.
Para os mais curiosos:
On-line!
Meus visitantes

Dating
pesquisar
 
Comentaram o que leram!! Obrigada!!!
Estou bem obrigado
Olá Leda, tudo bem?
Olá LedaVocê está bem?Um Beijo de Portugal
Olá!!!Não consegui encontrar o teu blog no blogspo...
Parabéns pelo seu post, está realmente incrivel. V...
mau e excelente!!!!
Ótimo ||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||...
Gostei.
COMO PARTICIPAR NAS EDIÇÕES DO EPISÓDIO CULTURAL?O...
Blog interessante, é unberleaverble como algo tão ...
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


subscrever feeds
blogs SAPO