Blog de Lêda Rezende

Abril 06 2009

Ela decidira fazer uma dieta. Estava gorda. Queria retomar o corpo. O rosto. No lugar onde deixara. Há anos. O corpo. E as curvas. Riu da pobreza da piadinha. Estava tão decidida que já estava sentindo a roupa folgada. E só tivera a idéia. Isso é que é fé. Em milagres.

 

Eram tantas as dietas com nome. Tinha de nome de universidade famosa. De outras menos famosas. De astros do céu. De frutas. De zodíaco. Tinha até de aromas. O que não faltava era título de dieta. Era só escolher um título. E acreditar.

 

Indicaram um professor chinês. Era um Especialista em dieta leve. Para corpos pesados. Assim falavam dele. Não soube se também o contrário. Sobre isso não informaram.

 

Achou maravilhoso - uma metodologia oriental. Bem mais sofisticada. Já estava cansada. De ficar liquidificando couve. Até suas unhas já estavam ficando verdes. De tanta couve no desjejum. E o excesso de peso nada de amadurecer e cair. Ou de tomar suco de abacaxi com gengibre. Ou de seguir uma receita aromatizante. Diziam que aromatizar também ajuda a queimar calorias. Perfumou por muito tempo com essência de canela o ambiente da casa e do trabalho. Quase foi demitida. Ninguém mais agüentava se sentir trabalhando dentro de um capuccino.

 

Concluiu.  Já tinha feito tudo de ocidental. Agora era a vez do oriental.

 

Marcou a consulta. Chegou até mais cedo para garantir o atendimento.

Mostrar interesse. Vai que perde a hora. Chinês entende de relógio. Mas daqueles alternativos. Que nem sempre funcionam como o prometido no original. Preferiu não arriscar.

 

Sentou-se numa poltroninha vermelha.  A salinha era toda decorada com tons vermelhos e dourados. Pensou de imediato num dragão. Temeu rir. Por trás do cérebro uma voz fazia chistes. Assim que ele emagrecia. Os corpos pesados. Com fogo de dragão. Ajeitou-se na cadeira. Como numa espécie de ordem. Para que parasse de rir. Do tal dragão imaginário. Não queria aborrecer o chinês. Vai lá ele vira um ninja. Não sabia mais se ninja era chinês ou japonês. Bom, mas não estava ali para isso. Só queria perder peso. Não ganhar  - cultura.

 

Ele foi logo fazendo um sinal para que ela entrasse. Na salinha de atendimento. Ele entrou atrás dela. Com ar de mestre milenar. Fez uma volta qual um dançarino. Era bem magrinho. Pisava leve. Sentou diante dela. Sério. Muito sério. Ela foi logo também se sentando.

 

Idéia errada. Ele fez um sinal negativo com a cabeça. E apontou com o dedo. Assim mandou que ficasse de pé. Ficou. Ele olhou. Olhou de novo. Ela já se sentiu desconfortável. Ele demorava  muito olhando. Ficou assustada. Será que tinha tanta área corpórea assim. Devia estar pior que imaginava.

 

Cada parte do corpo que ele olhava ela cobria. Com as mãos. Estava parecendo já um teatro de mímica. Ou conversa de surdo-mudo. Desta vez quase riu. Com muito esforço se conteve. Depois ele repetiu o sinal com o dedo. Apontou a cadeira. Assim mandou que se sentasse. Sentou. Nunca estivera numa consulta tão silenciosa. Mas entendeu como um estilo oriental. Refinado.

 

De repente ele falou. Ao menos assim ela supôs. Que ele estava falando. E com ela. Exatamente o que não entendia. Ele falava rápido e com lábios meio fechados.

 

Ele falou. Apontou. Para ela. Para o que ela supôs serem os pontos de acúmulo de gordura. Ficou feliz por ter ido lá. Viu seriedade. Foi o que pensou na hora. E rapidamente concluiu. Pensou errado.

 

Ele rabiscou um papel. Pareceu que assinara o nome. Entregou a ela. Era um papel delicado. Tinha um símbolo vermelho e dourado no cabeçalho. Leu. Era uma orientação impressa. Constava uma prescrição. Chá de folha de couve com gengibre pela manhã.  No almoço acrescentava um copo de suco de abacaxi a um cozido com couve.  À noite uma sopa quente de couve com as folhas cortadas ao comprido. Tinha isso. Ao comprido.  Podia comer alguns legumes. Uma fruta ou outra. Acrescentou falando uma importante recomendação. Para ela. Olhando sério para ela. Com o tal dedo apontando para o rosto. Dela. Só fechar boquinha.

 

Ficou mais amarela que ele.

 

Esqueceu que a China é milenar. Esqueceu da paz. Ensinou a ele quem é que manda. Nada de fechar boquinha. Ficou desbocada em segundos. Foi uma ordem e um contra ato. Algo por aí.  Uma situação constrangedora. Por sorte o chinês não se interessou. Pelas sugestões dela.  

 

Tivesse ele acrescentado o que ela falou como sugestão para emagrecer - e toda uma cultura milenar e um povo estariam, anatomicamente, desfigurados.

 

 

 


Blog de Crônicas - situações do cotidiano vistas pelo olhar crítico, mas relatadas com toda a emoção que o cotidiano - disfarçadamente - injeta em cada um de nós.
Para os mais curiosos:
On-line!
Meus visitantes

Dating
pesquisar
 
Comentaram o que leram!! Obrigada!!!
Estou bem obrigado
Olá Leda, tudo bem?
Olá LedaVocê está bem?Um Beijo de Portugal
Olá!!!Não consegui encontrar o teu blog no blogspo...
Parabéns pelo seu post, está realmente incrivel. V...
mau e excelente!!!!
Ótimo ||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||...
Gostei.
COMO PARTICIPAR NAS EDIÇÕES DO EPISÓDIO CULTURAL?O...
Blog interessante, é unberleaverble como algo tão ...
Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

15
17

19
20
23
24

26
29


subscrever feeds
blogs SAPO